A Icon, startup estadunidense de robótica para construção residencial, nasceu com a promessa de construir casas emergenciais usando impressoras 3D. Uma casa modelo foi erguida em Austin, capital do Texas, em 2018. Na mesma cidade, dois anos depois, a empresa começou a entregar uma série de residências para desabrigados.

Dependente químico em heroína, hoje recuperado, Tim Shea era morador de rua e seu último lar foi uma van. O estadunidense de 70 anos foi o primeiro a receber as chaves da casinha impressa em setembro de 2020. 

A residência possui apenas 37 m², mas a divisão dos espaços, a escolha dos móveis e o estilo de decoração minimalista ajudam a fazer os ambientes parecerem maiores do que são. Além disso, a casa é bem ventilada e bem iluminada, tornando-a bem aconchegante.  

A experiência de Shea foi compartilhada recentemente ao jornal New York Post. Em seu relato, ele conta que os cantos arredondados fazem com que ele se sinta abraçado e acolhido. 

Outras cinco casas foram construídas, sendo todas com layouts diferentes. Mas, em geral, o modelo inclui quarto, banheiro, cozinha, sala e varanda e são impressas em menos de 48 horas. 

As casas impressas em 3D se somam a outros lares já existentes na chamada “Community First! Village”, uma espécie de bairro planejado em Austin para abrigar sem-tetos. Em 200 mil m², o espaço possui moradias permanentes e acessíveis e uma comunidade de apoio cuja meta final é acomodar cerca de 480 moradores em situação de rua. 

  • Artigo relacionado:
    O futuro das Habitações Sociais pode ser a impressão em 3D?

“A Icon em sua essência é a inovação para um futuro melhor. Precisamos repensar radicalmente a maneira como abordamos a solução de problemas incômodos em nossa sociedade, como a falta de moradia. No final das contas, tudo se resume às pessoas e à dignidade dos seres humanos”, afirma Jason Ballard, cofundador e CEO da Icon.Guardar no Meu ArchDaily.

A residência impressa custa a Shea 300 dólares por mês de aluguel e o próprio projeto oferece programas de apoio para ajudar os residentes. Há inclusive oportunidades de emprego dentro da comunidade.

O projeto é realizado em parceria com a Mobile Loaves & Fishes (MLF), organização sem fins lucrativos de Austin. “Populações vulneráveis, como os sem-teto, nunca estão entre os primeiros a acessar algo de ponta, mas agora, aqui em Austin, eles estão entre os primeiros da fila a viver em algumas das casas mais exclusivas já construídas – e para nós isso é uma coisa linda”, diz Alan Graham, fundador da MLF e incorporador imobiliário.

Tecnologia 3D

O processo de construção faz uso de robótica, manuseio automatizado de materiais, software avançado e um concreto próprio, chamado de Lavacrete. Sua formulação não foi divulgada, mas a Icon afirma que a combinação é antimofo, está acima da resistência dos materiais de construção existentes e as matérias-primas são de fácil origem -, podendo ser obtidas em qualquer lugar do mundo. 

O material é preparado pelo sistema Magma, projetado pela companhia, que mistura o Lavacrete, aditivos e água. Por fim, entra em cena a Vulcan II, impressora também desenvolvida pela empresa. O modelo possui controles intuitivos, monitoramento e suporte remotos, iluminação LED integrado (para impressão noturna ou em condições de pouca luz) e um conjunto de software personalizado que garante que a configuração, as operações e a manutenção sejam as mais simples e diretas possível.

Com a tecnologia é possível levantar casas de maneira rápida, reduzindo o gasto com mão de obra e com quase nenhum desperdício de material. O projeto também pode ser adaptado para resistir a incêndios, enchentes e outros desastres climáticos – resultando em casas mais seguras e resilientes. 

A empresa já inaugurou uma vila de residências impressas em 3D para uma comunidade socialmente vulnerável no México e, recentemente, passou a vender casas impressas de alto padrão no Texas. Reconhecendo o mérito da companhia, a Icon entrou na lista anual da revista Fast Company como uma das empresas mais inovadoras do mundo.

Via CicloVivo

Fonte: Escrito por Marcia Sousa, ArchDaily.

Categorias: Notícias do Setor