Especialistas do Banco também revisaram projeção para o PIB neste ano

Nova projeção do Safra para a taxa Selic foi guiada pela decisão do Copom de encerrar a “prescrição futura” em sua última reunião, dia 20 — Foto: Getty Images

A equipe de macroeconomia do Banco Safra projeta que o Banco Central vai antecipar o início de um novo ciclo de elevação da taxa básica de juros para maio, com elevação de 0,25 ponto porcentual, levando a Selic a 2,25%.

O Safra estima que a taxa básica de juros suba 1,75 ponto percentual até o final do ano, para alcançar 3,75%, caso a recuperação econômica se sustente. Atualmente a Selic está em 2%.

A revisão do Safra foi guiada pela decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) de encerrar a “prescrição futura” na sua última reunião, em 20 de janeiro. A prescrição sinalizava que os juros permaneceriam inalterados. A alteração foi explicada pela aproximação das expectativas de inflação à meta de 2021.

Os analistas do Safra ressaltam, porém, que o novo ciclo de elevação da Selic pode ser antecipado para março, se houver percepção de risco fiscal acentuado. Caso a ociosidade da economia se mostre maior do que as projeções atuais, ou haja pressões estruturais pela queda da inflação, a primeira revisão da Selic pode ser postergada.

Ainda que haja bastante incerteza quanto ao desempenho da economia nos meses futuros, o relatório do Safra ressalta as observações de integrantes do Copom na última reunião, em que pedem que o comitê considere a possibilidade de o eventual agravamento da pandemia da Covid-19 provocar a contração da economia. Esses membros julgam que o Copom deveria iniciar um processo de relaxamento das medidas de estímulo monetário em prática hoje.

O time do Safra considera que a mensagem foi dura (ou hawkish), indicando a possibilidade de alta dos juros no curto prazo. Mas ressalta que o próprio presidente do BC, Roberto Campos Neto, indicou em diversas oportunidades que dissensos do comitê expressos nas atas não significam que a maioria do Copom venha a votar por alterações sugeridas.

Safra revê para baixo projeção do PIB em 2021

A equipe de economistas do Safra também reduziu a projeção do PIB para 2021 de 4,2% para 4,0%. Com base na última ata do Copom, os analistas estimam que haja no cenário a possibilidade de uma pequena contração da atividade no primeiro trimestre de 2021, que não seja totalmente compensada nos trimestres seguintes do ano.

A revisão foi baseada na sinalização dada pelo Copom, que apontou riscos associados às incertezas quanto à evolução da pandemia, bem como ao impacto que o fim do auxílio emergencial terá na economia. A ata da última reunião do comitê destaca que esses impactos negativos na economia podem provocar a “reversão temporária da retomada econômica”.

Analistas mantêm projeção para inflação em 3,4% no ano

Apesar de a pressão inflacionária demonstrar persistência no começo do ano, o Safra manteve inalterada sua previsão para a inflação em 2021 em 3,4%. A aposta do banco é que a pressão sobre os preços deve recuar ainda nos primeiros meses do ano.

“Enxergamos que os núcleos estão apenas temporariamente elevados, e devem iniciar tendência de desaceleração ainda no primeiro trimestre”, aponta a equipe de macroeconomia do Safra em relatório.

O banco ressalta que o IPCA-15 divulgado em janeiro mostrou persistência dos aumentos de preços, registrando alta de 0,78%. O número veio abaixo da expectativa do mercado – e do próprio Safra, que projetava variação entre 0,82% e 0,83%.

Mas serviços e indústrias tiveram altas mais elevadas do que o projetado por analistas. O maior impacto no IPCA-15 pesou sobre o grupo Alimentação e bebidas, com alta de 1,53%. A expectativa é que o grupo siga pressionando a inflação no IPCA de janeiro, mas desacelere já a partir de fevereiro.

Para os analistas do Banco, no entanto, a persistência da inflação verificada até o momento também será levada em consideração para a revisão da taxa básica de juros nos próximos meses.

Eleição no Congresso traz mais clareza às projeções econômicas, dizem analistas

Os especialistas do Safra também observam que a escolha dos novos presidentes da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, definidas na última segunda-feira, 01, devem trazer mais clareza a às projeções de crescimento e aos cenários que a política monetária pode enfrentar neste ano.

O Safra destaca que na lista de reformas a serem decididas pelo Congresso nos próximos meses estão a PEC do Gatilho, a votação da reforma tributária e a eventual criação de uma nova CPMF, além da possibilidade de novas reformas no mercado de trabalho para lidar com o desafio do emprego informal.

Fonte: Valor Econômico – Por Investe Safra