O empreendimento, que será construído no terreno antes ocupado pela churrascaria Plataforma, repete sucesso da Incorporadora BAIT na Zona Sul

Os sócios da BAIT comemoram o sucesso de vendas do Forma Leblon, mostrando a potência do setor — Foto: Divulgação

Bastaram dois dias de pré-lançamento para que 100% das unidades disponíveis do residencial Forma Leblon fossem vendidas. Com preços que partem de R$ 28 mil o metro quadrado, a Bait repete o feito do empreendimento Atlantico Bait, lançado em 2020, no último terreno livre da orla de Copacabana.O empreendimento foi totalmente vendido em três dias.

As memórias do número 32 da Rua Adalberto Ferreira, no Leblon, onde por décadas funcionou a churrascaria Plataforma, passam por Tom Jobim, Ruy Castro e todo um Rio de Janeiro festivo da Bossa Nova. Agora, o terreno situado em ponto tão especial da cidade vai entrar em uma nova fase. Mais tecnológica, sustentável e pensada para satisfazer as necessidades da vida contemporânea. Criado pela incorporadora BAIT, o residencial Forma Leblon chega para dar frescor ao bairro que tem no DNA a alma sofisticada e descontraída do carioca.

— Ali é mais Leblon. Uma localização especial, perto da Lagoa, da Gávea e do Jardim Botânico. As vistas dos apartamentos são incríveis, alcança-se o Cristo, as montanhas, parte da pista do Jockey e da Lagoa— comenta o CEO da BAIT, Henrique Blecher.

Os 61 apartamentos são bem variados. Vão de studios de 31m², a unidades de 139 m² como as coberturas duplex, com piscina de borda infinita e muitos outros atrativos. Completam o conjunto unidades do tipo garden (45 a 83 m²) e double suítes (65 a 74 m²), todos com plantas integradas e flexíveis que se adaptam aos desejos e necessidades do morador, oferecendo autonomia e facilidade na criação do espaço. A variedade de configurações de plantas e layouts entre o compacto e o amplo é uma das tendências captadas pela BAIT, que em todos os seus empreendimentos leva em conta a forma atual de se viver. No Forma Leblon, a maior parte das unidades tem um espaço na varanda para receber bancada gourmet. Isso permite mais versatilidade no ambiente, que pode se tornar um espaço gourmet, home office ou até mais espaço para fazer atividades físicas, de acordo com o perfil do comprador.

Uma palhinha da vista da cobertura do Forma Leblon — Foto: Divulgação

— Condomínios mais funcionais e tecnológicos com uma área comum com bastante lazer e verde são mais que uma tendência, são um caminho sem volta. Unimos apartamentos compactos à áreas comuns espaçosas, com natureza, espaço fitness indoor e outdoor, lounge com hidro, espaço wellness e área gourmet. Além do lobby com iluminação cênica, música ambiente, wi-fi, vestiário para funcionários, coworking com sala de reunião e work station, funcionando como uma extensão do lar. Desse jeito, uma residência com tamanho menor torna-se maior — diz Blecher.

Um dos trunfos da BAIT é otimizar a relação do morador com sua casa. Por isso, a incorporadora faz uma busca constante para descobrir as demandas da sociedade e entregar soluções que acompanhem as mudanças de hábitos e de consumo. Entre as modernidades que fazem parte do empreendimento estão fechadura smart lock, infraestrutura para comando de voz e para rede de dados Wi-fi nas áreas comuns, olho mágico digital, iluminação cênica na portaria e área de lazer além de som ambiente nas áreas de convívio.

— Sabemos que o Forma Leblon vai ser procurado tanto por moradores quanto por aqueles que pensam em alugar temporariamente via plataforma de locação digital, por exemplo. Será um local que tanto uma família viverá com muito conforto, quanto um investidor terá um retorno rápido. Pensamos nesses dois perfis ao desenvolver o complexo — disse Blecher antes do lançamento.

As plantas integradas e flexíveis, que se adaptam aos desejos e necessidades do morador, são marcas do Forma Leblon — Foto: Divulgação

A segurança do condomínio também conta com dispositivos modernos para controle de portaria, como sistema de reconhecimento facial de alta eficiência para controle de acesso dos moradores com integração à portaria remota; segurança perimetral monitorada; circuito de CFTV com acesso remoto; controle eletrônico de veículos e eclusa para controle de visitantes. Haverá também área destinada para delivery, com lockers de serviços inteligentes. O foco na sustentabilidade também foi grande. Placas fotovoltaicas de energia solar, que suprirá grande parte do consumo da área comum, tomada para carros elétricos e bikes, sensores de iluminação nas áreas comuns, medidores de água individuais, temporizador de torneiras das áreas comuns e irrigação automatizada estão na lista de iniciativas.

O conceito assinado pela Triptyque Architecture também tem seus diferenciais, entregando mais que um projeto de arquitetura, uma declaração de amor ao Rio e ao Leblon no seu melhor lifestyle carioca, na história anterior do terreno e suas construções. Foram as montanhas rochosas representadas através do jardim vertical nas empenas laterais da fachada, o verde da Mata Atlântica no paisagismo da área comum e o coração abstrato que pulsa a Lagoa Rodrigo de Freitas representado nas formas orgânicas da piscina foram as principais inspirações para o desenvolvimento do projeto. A musicalidade também é evocada com varandas, divisórias e elementos verticais em justa posição rítmica que compõem um samba de uma nota só nas fachadas.

“Unimos apartamentos compactos à áreas comuns espaçosas, com natureza, espaço fitness indoor e outdoor, lounge com hidro, espaço wellness e área gourmet. Desse jeito, uma residência com tamanho menor torna-se maior”, diz Henrique Blecher — Foto: Divulgação

O paisagismo desenvolvido pela Embyá é outro ponto alto, com bastante vegetação nativa brasileira, gerando sombras e refrescando o local. Outro destaque são as piscinas da cobertura que se debruçam e embelezam a fachada. Sem falar na integração total com a natureza ao redor.

— Acima de tudo, buscamos trazer o espírito carioca aos nossos projetos. Algo despojado, com elegância e sem exageros, valorizando a verdade dos materiais. Os sócios são todos do Rio [além de Blecher, David Klabin, Amanda Klabin e Eduardo Tckaz fundaram a incorporadora] e pensamos sempre em deixar um legado para a cidade — comenta.

Imóveis que contam a história do Rio

Os imóveis escolhidos pela Bait são muitas vezes icônicos na cidade, como o Ivo, em Botafogo, antiga clínica do renomado cirurgião plástico Ivo Pitanguy; o Atlantico Bait, em Copacabana, onde era a clássica Casa de Pedra e último terreno disponível da Av Atlântica; e o Palacete Modesto Leal, em Laranjeiras.

— Não tem magia — diz Henrique Blecher —Nossa fórmula de sucesso é baseada em estudos que identificam os produtos que faltam ao mercado da Zona Sul carioca, considerando localização privilegiada, plantas inteligentes, design e uma estrutura financeira consistente e eficiente. Claro que o cenário de juros baixos tem ajudado muito, já que o investidor enxerga nos ativos imobiliários uma maior rentabilidade que outros investimentos não estão proporcionando. Sem contar que o imóvel é um ativo mais seguro em tempos de incerteza como esse da pandemia.

Mas há outras características que marcam a atuação da Bait, que já é tida como a queridinha do imobiliário carioca. O DNA de mercado financeiro dos sócios tem feito a diferença. Eles seguem dispostos a investir alto sem medo de correr algum risco e também com boas relações para angariar os recursos necessários com outros investidores, para, por exemplo comprar os terrenos mais disputados na cidade, concorrendo com grandes empresas do setor.

A Bait também não mede esforços para contratar escritórios renomados de arquitetura, design de interiores e paisagismo, criando residenciais que se destacam entre os lançamentos da cidade. O Forma é assinado pelo Triptyque Architecture; e o Atlantico foi projetado pelo Bernardes Arquitetura e Escritório de paisagismo Burle Marx.

— Já me perguntaram se o nosso sucesso vinha de terrenos icônicos. Eu falo que esses itens são complementos. O que o carioca precisava mesmo era de plantas funcionais. Viver em espaços pensados nos detalhes para se ter o melhor aproveitamento possível, mesmo em terrenos pequenos como os disponíveis hoje na Zona Sul. Uma casa bem desenvolvida, com design, total aproveitamento de luminosidade, ventilação natural, espaços integrados, agregando valores objetivos e subjetivos ao produto, aliado a uma estrutura de aquisição diferenciada, e com funcionalidades que a tecnologia proporciona, é o que falta. Nós buscamos entender os movimentos da vida contemporânea, desenhar produtos inovadores, com economicidade, conforto, proporcionando qualidade de vida e praticidade com soluções inteligentes no produto e no negócio — diz Blecher.

Tecnologia em vendas

A Bait também está muito focada em marketing e vendas digitais. Parte significativa das vendas é feita por sistemas digitais, com clientes do outro lado do mundo podendo ver os projetos pelo celular. Entre os recursos disponíveis, estão apps, plantas, tour 360º, modelo 3D, book de vendas, filmes, vistas dos andares, imagens animadas das unidades e áreas comuns. Essas facilidades atraem compradores de outros estados do Brasil, como São Paulo, Goiás, Rio Grande do Sul, Paraná e Maranhão.

Com quatro empreendimentos lançados nos últimos seis meses, a Bait alcança 380 milhões de VGV lançados, numa performance superior a 80% de comercialização. O crescimento supera 300% em 12 meses.

Fonte: Por Bait.

Categorias: Notícias do Setor