A prática consegue otimizar as obras e evitar um desperdício ainda maior de resíduos nas construções

Por Evelyn Nogueira

Além de gerar benefícios para o bolso das incorporadoras, o resultado também é positivo para o meio ambiente (Foto: Unsplash /  Mark Potterton / CreativeCommons)
Além de gerar benefícios para o bolso das incorporadoras, o resultado também é positivo para o meio ambiente (Foto: Unsplash / Mark Potterton / CreativeCommons)

Pautas sobre sustentabilidade têm ganhado cada vez mais atenção e visibilidade, pois colocam em jogo o futuro do Planeta. No campo da Arquitetura, não poderia ser diferente. Construções mais sustentáveis e benéficas para o meio ambiente estão nos holofotes, pensando em preservá-lo.

Segundo Levi Torres, Coordenador da Associação Brasileira para Reciclagem de Resíduos da Construção Civil e Demolição (Abrecon), os dados gerais sobre reciclagem de resíduos têm um aumento significativo e crescente. De tudo que é produzido, cerca de 20% é reciclado.

Uma prática que têm ganhado muita força no campo da arquitetura é a de reciclagem nos canteiros de obra durante o projeto. Já muito comum em Riviera de São Lourenço, o hábito faz profissionais da área acreditarem que o processo otimiza a construção, protege o meio ambiente e ainda gera receita.

Os resíduos de obras são sempre da responsabilidade do gerador, tanto da coleta quando destinação correta (Foto: Unsplash /   Josue Isai Ramos Figueroa / CreativeCommons)
Os resíduos de obras são sempre da responsabilidade do gerador, tanto da coleta quando destinação correta (Foto: Unsplash / Josue Isai Ramos Figueroa / CreativeCommons)

O diretor de planejamento urbano da Sobloco Construtora, Nagib Anderaos, comenta: “quando você implementa um sistema de reciclagem dentro dos canteiros de obra, você otimiza a construção, pois gera menos resíduos, diminui o desperdício, deixa o ambiente mais organizado e seguro, e também protege o meio ambiente”.

O resíduo da construção e da demolição (RCD) e o da construção civil (RCC) são os gerados durante os processos de construção, da reforma, da escavação ou da demolição. Em termos práticos, essa destinação correta é sempre responsabilidade do gerador.

Para Torres, a principal dificuldade da reciclagem é justamente a conscientização dos geradores na responsabilidade da criação de resíduos. “Isso se torna um entrave para as empreiteiras, principalmente as que não têm experiência nesse processo”, reforça o engenheiro Wlademir Sega, da Sobloco.https://952a642f691c47c2302281a811808ae0.safeframe.googlesyndication.com/safeframe/1-0-38/html/container.html

A destinação correta pode inclusive virar matéria prima para outras obras e projetos (Foto: Unsplash / Scott Blake / CreativeCommons)
A destinação correta pode inclusive virar matéria prima para outras obras e projetos (Foto: Unsplash / Scott Blake / CreativeCommons)

O Instituto A. Yoshii acredita que a reciclagem no canteiro de obras pode ser muito positiva. “Nossas obras são extremamente organizadas, com uma área destinada apenas para a separação dos resíduos em baias específicas para cada tipo. Elas são armazenadas nesses espaços e direcionadas para empresas credenciadas e especializadas em destinação de resíduo”, explica Aparecido Siqueira, presidente do Instituto.

O Instituto criou um programa para mudar ainda mais o olhar dos colaboradores. Além de priorizarem o mínimo de resíduo possível, agora transformam o “lixo” em matéria-prima. Através do projeto Obra&Arte, a A. Yoshii Engenharia, que mantém o instituto, criou um espaço físico para a execução da iniciativa.

O projeto coleta os resíduos de obra e os transforma em peças de decoração e móveis – que, inclusive, são usados na decoração dos projetos da construtora. A ação é divulgada para os operários das obras, que podem se inscrever e são dirigidos pelo Coletivo Ôda, que ministra oficinas e auxilia na execução.

Os materiais de reuso são uma matéria prima ainda mais em conta do que a nova (Foto: Unsplash / Shane McLendon / CreativeCommons)
Os materiais de reuso são uma matéria-prima ainda mais em conta do que a nova (Foto: Unsplash / Shane McLendon / CreativeCommons)

Levi relembra que os estádios demolidos antes da Copa de 2014 tiveram os resíduos destinados para construção de outras obras, como estradas, acessos, base e sub-base.

Para Torres, os principais benefícios do uso de materiais reutilizados são o financeiro e o ambiental. O primeiro torna os materiais mais baratos para a construção, que dá lucro para quem o faz. O segundo permite que menos resíduos sejam descartados e tenham destinação correta.