“Queremos ir além de um mercado de busca por produtos”, diz CEO

Por Daniela Braun

A empresa de comércio eletrônico OLX, especializada em anúncios de compra e venda de itens novos e usados, pretende alavancar sua atuação no segmento de imóveis, com investimentos em marketing e tecnologia, incluindo uma nova ferramenta de “Queremos ir além de um mercado de busca por produtos”, disse Andries Oudshoorn, CEO da OLX Brasil. A empresa informou que vai destinar R$ 500 milhões ao segmento de imóveis nos próximos 12 meses, tanto em despesas operacionais quanto em investimentos em áreas como tecnologia.

A aposta no setor imobiliário, que representou mais da metade da receita de R$ 683 milhões da empresa em 2020, é o que dá suporte à expectativa de crescimento estimada em 30% este ano.

Fundada em 2006, em Amsterdã, na Holanda, a OLX chegou ao Brasil em 2010, como resultado de uma união do grupo de mídia sul-africano Naspers com o conglomerado de mídia norueguês Schibsted. De janeiro a setembro deste ano, a companhia que concorre com empresas como Enjoei e Mercado Livre, designou R$ 500 milhões a marketing, vendas, bem como à folha de pagamento dos 1.600 colaboradores e a custos gerais no Brasil.

No ano passado, o mercado de imóveis gerou 56% da receita da OLX, incluindo os portais Zap Imóveis, fruto da aquisição do Grupo Zap, há um ano, e Viva Real. Na sequência estão anúncios de automóveis e de bens de consumo.

O CEO da OLX afirma que a empresa está colhendo os frutos da compra do Grupo Zap, por R$ 2,9 bilhões, em novembro do ano passado. Ele projeta uma valorização de dez vezes para a empresa, em três anos.

digitalização de transações para corretores e imobiliárias.

Um dos focos do investimento é a plataforma Zapway+ voltada à digitalização de transações de imóveis entre 45 mil imobiliárias e corretores parceiros. Lançada em outubro, a plataforma já vinha sendo testada por 55 imobiliárias.

Segundo Marcos Leite, Diretor geral do Zap+, unidade de negócios da OLX dedicada ao mercado imobiliário, a proposta do novo sistema é acelerar os contratos de locação digitalmente. “Em um ano devemos ter mais de 100 mil contratos de locação fechados pelas imobiliárias parceiras por meio da plataforma”, prevê Leite. O potencial do segmento é de 3 milhões de locações por ano no país.

A nova plataforma on-line também promete oferecer serviços financeiros, que incluem contratos de locação sem fiador – modelo já oferecido pela plataforma de negociação de imóveis Quinto Andar -, antecipação de aluguéis e seguro fiança. Para tanto, a empresa vem fechando parcerias com startups das áreas financeira e de seguros como Creditas e Pottencial Seguradora. “O mercado imobiliário brasileiro é muito grande – o residencial alcançou R$ 500 bilhões em 2020 — mas o nível de digitalização ainda tem muito a aumentar”, diz Leite.

Parte do investimento da OLX será destinada à evolução da ferramenta DataZap de análise de dados imobiliários.

Fonte: Valor Econômico