Condomínio no bairro Ipiranga, zona Norte, foi entregue em 2017 e imóveis começaram a apresentar problemas um ano depois, dizem donos. Construtora disse que realiza atendimentos

Há quatro anos moradores do condomínio Parque das Roseiras, no bairro Ipiranga em Ribeirão Preto (SP), lidam com problemas estruturais nos apartamentos entregues pela construtora MRV.

Além de infiltrações, vazamentos, pisos estufados e erosão no solo, os moradores reclamam da demora no atendimento durante a pandemia.

As reclamações não são novidade para os moradores. Em agosto de 2018, um ano após a entrega, eles já cobravam a solução de goteiras e trincas nos imóveis.

Na época, a construtora chegou a informar que enviaria uma equipe técnica ao local,mas segundo os moradores, os problemas continuaram.

“Cadê que eles vêm aqui? Não vem! Nem para mim, nem para nenhum deles[moradores]”, diz a moradora Elisângela Alves.

Segundo ela, foram oito anos de economia para dar entrada na casa própria e o que era para ser a realização de um sonho, acabou se tornando um pesadelo.”É um pesadelo. As crianças acharam que iam ter uma casa, um lugar para crescer e brincar, mas aqui está caindo aos pedaços, sozinho. E a construtora, nada.”

Cobrança por soluções

A síndica do condomínio, Dayane Borges de Paula Silva, afirma que dos 304apartamentos, 90% já tiveram problemas estruturais. Ainda segundo ela, agora, as solicitações de atendimento levam muito mais tempo para serem atendidas.”Antes da pandemia eles vieram e deram alguns atendimentos, ficaram vários chamados para trás e aí depois iniciou a pandemia, em 2020. Eles estão demorando mais ainda para atender e, em agosto, os chamados foram encerrados. Dificilmente a gente tem retorno”.

O advogado Marcio Spimpolo recomenda que, em situações como esta, os moradores façam registros fotográficos dos danos em seus imóveis e efetuem notificações formais, através de e-mails, para a construtora. Se os problemas persistirem, o judiciário pode ser acionado.

O que diz a MRV

Procurada, a construtora MRV informou que uma equipe técnica fez a avaliação do solo do condomínio e não constatou nenhum risco, mesmo assim, uma recuperação do terreno será feita.

Com relação aos problemas no atendimento, a MRV informou que realiza os serviços solicitados normalmente, apesar da pandemia.

Fonte: G1

Categorias: Notícias do Setor