Legenda: Patriolino Dias de Sousa é presidente do Sinduscon Ceará
Foto: Divulgação

O desempenho do setor da construção civil do Ceará é excelente e confirma as expectativas para o ano de 2021, com vendas expressivas nos primeiros quatro meses do ano.

De janeiro a abril, foram financiadas 5.095 unidades, o que corresponde a um crescimento de 256%, se comparado com o mesmo período do ano passado.

Os dados são da Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip) e revelam que o desempenho do mercado cearense está melhor que a média nacional. De janeiro a abril, os financiamentos imobiliários pelo em todo o país somaram R $59,91 bilhões, aumento de 122, 3% ante igual período de 2020 (R $26,95 bilhões).

O valor contratado com recursos das cadernetas do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE) cresceu 200% com relação ao igual período de 2020 e alcançou a soma de R $1,033 bilhão, no Ceará. A expectativa do setor é alcançar um crescimento de 10% no Valor Geral de Vendas, se comparado com o resultado de 2020, quando o setor alcançou R $1,9 bilhão.

No segundo semestre do ano os estoques das construtoras cearenses devem acabar. Com isso, os lançamentos previstos para o período deverão se concretizar, apesar dos aumentos dos preços dos insumos. Em um ano, o Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) teve um incremento de 15,26%. A maior elevação para um período de 12 meses, desde novembro/2003 (16,18%).

Aumentos impossíveis de serem previstos. Altas expressivas e de difícil absorção por parte das construtoras. O setor, por sua vez, se articula, buscando soluções até mesmo fora do país para enfrentar essa realidade. O aço, por exemplo, dobrou de preço nos últimos doze meses e tem sido um grande vilão dessa história.

O produto será importado da Turquia. O objetivo é atuar, estrategicamente, para equalizar os custos para que as construtoras possam seguir adiante com os planos dos lançamentos previstos para o ano.

Assim, a geração de emprego e renda também seguirá uma tendência de alta no segundo semestre. A expectativa é gerar 10 mil novos postos de trabalho até o final de 2021. O mercado imobiliário do Ceará deverá viver, este ano, a melhor fase dos últimos tempos.

Patriolino Dias de Sousa
Presidente do Sinduscon Ceará

Fonte: Patriolino Dias de Sousa, Diário do Nordeste.