Segundo a CBIC, a proporção de lançamentos de imóveis enquadrados no Casa Verde e Amarela deve ser reduzida em relação ao total

Os lançamentos e as vendas de imóveis terão crescimento de 5% a 10%, neste ano, segundo vice-presidente da Comissão da Indústria Imobiliária da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), Celso Petrucci. Na avaliação do presidente da entidade, José Carlos Martins, há um “turbilhão”, na cadeia do setor, por causa das pressões de custos de materiais.

Diante dos aumentos de custos, a CBIC espera que a proporção de lançamentos de imóveis enquadrados no Casa Verde e Amarela seja reduzida em relação ao total. Isso é esperado porque o repasse das altas de insumos para os preços dos imóveis é limitado pelo teto de valores do programa. Além das restrições estabelecidas de preços, há limites relacionados à renda média das famílias em cada município.

Casa Verde e Amarela

O governo federal avalia a possibilidade de mudar a curva de subsídios do programa habitacional Casa Verde Amarela, segundo o presidente da CBIC, José Carlos Martins. A intenção de mudanças em análise pelo governo é aproximar a curva de subsídios da renda real das pessoas, de acordo com Martins.

A CBIC participou de algumas reuniões com o governo federal sobre as alterações avaliadas. As mudanças acabariam com a faixa 1,5 do programa e resultariam na criação de nova faixa 1.

Diante dos aumentos de custos de materiais de construção, a CBIC espera que, neste ano, a proporção de lançamentos de imóveis enquadrados no Casa Verde e Amarela seja reduzida em relação ao total.

Conteúdo originalmente publicado pelo Valor PRO, serviço de notícias em tempo real do Valor Econômico

Imóvel compra — Foto: Getty Images

Fonte: Por Chiara Quintão, Valor PRO — São Paulo.