Gestora de ativos que tem como acionistas a JFL Realty e o empresário Marcel Telles

Carolina, sócia da JFL Realty: “Nosso negócio é de longo prazo. Aproveitamos o momento anti-cíclico para crescer” — Foto: Claudio Belli/Valor

A JFL GP, gestora de ativos que tem como acionistas a JFL Realty e o empresário Marcel Telles, projeta chegar a 2023 com 1.155 unidades próprias de alto padrão para locação residencial em operação, número quase cinco vezes maior do que o atual de 234 apartamentos. A JFL Realty tem como sócios Jorge Felipe Lemann – filho de Jorge Paulo Lemann – e Carolina Burg Terpins. Os investimentos em curso somam quase R$ 1 bilhão. “Nosso negócio é de longo prazo. Aproveitamos o momento anti-cíclico para crescer”, diz Carolina.

A JFL Realty desenvolve projetos em bairros nobres das zonas Sul e Oeste da cidade de São Paulo, com a maior parte dos empreendimentos destinada à alta renda. Além das unidades próprias, a gestora opera também apartamentos de terceiros localizados nos prédios que controla.

Na avaliação da empresária, a demanda por locação residencial tende a aumentar nos próximos anos. Entre os clientes, estão pessoas que optam por aluguel em vez da compra de imóveis por questões de mobilidade e facilidade de deslocamento, quem mora em outra cidade, mas passa mais de três dias por semana na capital paulista, famílias que precisam viver em São Paulo por tempo determinado e pessoas separadas, com guarda compartilhada dos filhos.

Com a pandemia de covid-19, a JFL observou comportamentos distintos nos clientes que alugam unidades dos seus dois empreendimentos em operação – o VHouse e o VO699. A menor circulação de pessoas e o aumento do trabalho remoto resultaram no crescimento da demanda por apartamentos maiores e locações mais longas. Por outro lado, caiu a procura por unidades menores e por aluguéis de curto prazo. O tamanho das unidades da JFL vai de 44 m2 a 220 m2. Cerca de 80% do total possui dois dormitórios. “Nos apartamentos grandes não temos mais ocupação por falta de oferta”, diz Carolina.

Questionada sobre o aumento da concorrência em locação residencial, a empresária afirma que a oferta institucional de unidades ainda corresponde a menos de 1% do mercado de São Paulo – em geral, os proprietários dos imóveis alugados são pessoas físicas. Também com atuação no alto padrão, a Idea!Zarvos informou, recentemente, ao Valor, atuação em locação residencial de alto padrão com a marca Paulistano.

No fim de 2020, a JFL terminou a captação de R$ 150 milhões por meio de fundo de investimento imobiliário (FII) para o qual destinou 75% do VHouse e 7,5% do empreendimento da VO699. Outros ativos serão direcionados, parcialmente, ao FII à medida que o aluguel dessas propriedades se estabilizar. Isso possibilitará, de acordo com Carolina, que o fundo tenha mais diversificação e liquidez. “Mas só vamos fazer novas captações se o momento de mercado for bom e não houver diluição grande dos cotistas”, diz a empresária.

As locações das 101 unidades próprias do empreendimento JML, localizado na avenida 9 de julho com a rua José Maria Lisboa, nos Jardins, terão início até agosto. Em dezembro, será a vez das 175 unidades em projeto desenvolvido em terreno no Carrefour, na Marginal Pinheiros. Trata-se, por enquanto, do único projeto da JFL destinado à classe média-alta.

No primeiro trimestre de 2022, começarão as locações das 160 unidades do empreendimento da avenida Faria Lima nas proximidades da Rebouças, e dos 45 apartamentos do projeto Casa dos Ipês, na rua General Mena Barreto, perto do Parque Ibirapuera. As 90 unidades do empreendimento da alameda Lorena – desenvolvido em terreno da Tecnisa, ao lado de prédio residencial da incorporadora estão previstas para o segundo trimestre do próximo ano.

Em 2023, entrarão em operação os 50 apartamentos da Mena Barreto e as 300 unidades em desenvolvimento no terreno do shopping JK Iguatemi.

Fonte: Por Chiara Quintão — De São Paulo.