No caso do PIB, economistas consultados pelo Banco Central esperam crescimento de 5,30% neste ano, sem mudança em relação à projeção anterior

Por Felipe Frisch, Valor — São Paulo

Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

A mediana das projeções dos economistas do mercado para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em 2021 subiu pela 18ª semana seguida, agora de 6,79% para 6,88%, segundo o Relatório Focus, do Banco Central (BC), divulgado nesta segunda-feira com estimativas coletadas até o fim da semana passada. Para 2022, também subiu, de 3,81% para 3,84%.

IPCA

Expectativas de mercado – mediana em % ao ano

Fonte: Banco Central/Focus. Elaboração: Valor Data

No caso do desempenho da economia brasileira em 2021, a mediana das projeções do mercado interrompeu a sequência de 15 semanas seguidas de alta e permaneceu em 5,30% de crescimento. Para 2022, o ponto-médio das expectativas para a expansão do Produto Interno Bruto (PIB) saiu de 2,10% para 2,05%.

PIB

Expectativas de mercado – mediana

Fonte: Banco Central/Focus. Elaboração: Valor Data

A economia brasileira cresceu 1,2% no primeiro trimestre de 2021, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) no começo de junho. A alta ficou acima da mediana das estimativas do Valor Data, de 0,7%, com intervalo de projeções indo de estabilidade a uma expansão de 2,4% entre as 55 consultorias e instituições financeiras ouvidas. O PIB do segundo trimestre será conhecido no dia 1º de setembro.

Para a taxa básica de juros (Selic), o ponto-médio das expectativas subiu de 7% para 7,25% tanto no fim de 2021 quanto no encerramento de 2022. A meta de inflação a ser perseguida pelo BC é de 3,75% em 2021 e 3,50% em 2022, sempre com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo.

Meta da Selic

Expectativas de mercado – mediana em % ao ano

Fonte: Banco Central/Focus. Elaboração: Valor Data

Na semana passada, o Comitê de Política Monetária (Copom) elevou a Selic de 4,25% para 5,25% ao ano, em linha com o esperado pelo mercado, indicou que haverá uma alta da mesma magnitude na próxima reunião, em setembro, e avisou que vai levar o juro para patamar acima do neutro, ou seja, para o campo restritivo.

Quanto ao câmbio, a mediana das estimativas para o dólar no fim deste ano foi mantida em R$ 5,10. Para 2022, o ponto-médio das projeções também ficou parado, em R$ 5,20, entre uma pesquisa e outra.

Dólar

Expectativas de mercado – mediana em R$/US$

Fonte: Banco Central/Focus. Elaboração: Valor Data

Economistas Top 5
A mediana das estimativas para a taxa básica de juros subiu de 7% para 7,25% no fim de 2021 entre os economistas que mais acertam as previsões compiladas pelo BC, os chamados Top 5, de médio prazo. Para 2022, permaneceu em 7,50%.

A projeção dos Top 5 para a alta do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) neste ano manteve-se em 7,11%. Para 2022, o ponto-médio das expectativas desse seleto grupo para a inflação oficial brasileira também permaneceu inalterado, em 3,95%, entre uma semana e outra.

A meta de inflação a ser perseguida pelo BC é de 3,75% em 2021 e 3,50% em 2022, sempre com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo.

Para o dólar, os campeões de acertos mantiveram as estimativas em R$ 5,05 no fim deste ano e R$ 5,25 no próximo.