“Temos que tomar cuidado com as soluções míopes, que só olham um pedaço do sistema”, destaca o professor José Joaquim do Amaral Ferreira

É preciso pensar nas soluções baseadas nos conceitos de uma construção civil sustentável – Foto: Cecília Bastos/USP Imagens

Eficiência energética na construção civil é uma temática que se destaca no debate de especialistas ambientais. A tomada de ações sustentáveis nesse sistema de produção deve ser pensada de forma sustentável e que garanta um modelo consciente para a área da construção civil. 

Em entrevista ao Jornal da USP no Ar 1° Edição, José Joaquim do Amaral Ferreira, professor de graduação e pós-graduação de Engenharia de Produção na Escola Politécnica da USP, destaca que o debate acerca da eficiência energética é muito importante na cadeia produtiva da construção civil. “Quando analisamos a construção civil como um todo, pensamos em todos os produtos que são utilizados para fazer o concreto, por exemplo. O processo de calcinação que produz o cimento é um exemplo de muito gasto de energia”, revela o professor. Ferreira também chama a atenção para a análise do ciclo de vida dos produtos da construção civil, que vai desde a extração do minério de ferro, por exemplo, até a demolição de um prédio. “Geralmente não levamos em consideração o destino do entulho, que também consome energia”, complementa. 

Apesar das atuais soluções ecológicas do mercado, Ferreira informa que é preciso pensar nas soluções baseadas nos conceitos de uma construção civil sustentável. “Temos que tomar cuidado com as soluções míopes, que só olham um pedaço do sistema”, destaca. Alemanha, Estados Unidos, França, Inglaterra e o Brasil são exemplos de países que estimulam a construção desse modelo mais limpo e sustentável. “Aqui no Brasil temos o referencial Alta Qualidade Ambiental (AQUA), que estabelece quase 300 páginas de requisitos para um prédio conseguir este selo ambiental”, informa o professor. Ele foi montado a partir de uma tese de pós-doutorado da Escola Politécnica da USP, financiado pela Fapesp, e é um exemplo de contribuição da Universidade para a sociedade, mais especificamente um sistema de construção civil mais sustentável.

Outro projeto do Departamento de Engenharia de Produção da Escola Politécnica, que tem o objetivo de promover um modelo mais limpo e sustentável, é o Conecticidade, um laboratório que trabalha com a ideia de cidades inteligentes, em que a sustentabilidade tem um pedaço. “Ele aborda toda a parte de conexão de internet e dispositivos inteligentes, que podem proporcionar gestão inteligente de água e energia, por exemplo. Envolvendo não só as engenharias, mas a arquitetura e o urbanismo também”, finaliza.

Fonte: Por Jornal da USP.