Entenda a nova tendência do mundo das plataformas de negócios e e-commerce, interessante para diferentes segmentos do mercado

Você sabia que há uma diferença abissal entre plataformas rasas e profundas? Não, não estamos falando de plataformas de petróleo ou da profundidade dos oceanos ou piscinas. Estamos falando de negócios.

A Andreessen Horowitz, um dos principais fundos de venture capital dos Estados Unidos, fez um post recentemente sobre as chamadas deep job platforms, também conhecidas como as plataformas end-to-end para o mercado de empregos.

O texto diz que, diferentemente das chamadas plataformas rasas (shallow), assim como LinkedIn ou Catho, que fazem um match entre candidatos e empresas, as novas plataformas profundas (deep) criam valor para empresa e candidato, expandindo, muitas vezes, o número de serviços oferecidos.

O contraste não vale apenas para o mercado de empregos. No setor imobiliário, também existem as chamadas plataformas rasas, que atuam apenas em partes das jornadas de compradores e vendedores, e aquelas mais profundas, que providenciam um serviço end-to-end para seus clientes.

Avanço do e-commerce – em diferentes ritmos

Mas o que é isso? Sabemos que o e-commerce está avançando a passos largos na cadeia de valor, em todos os setores da economia. Esse é um movimento que começou em empresas que prestam serviços de tíquetes baixos e frequência alta – Amazon e Magalu são bons exemplos – e depois prosseguiu em companhias com tíquetes médios e frequência regular de serviços – como Expedia e Airbnb.

Em seguida, vieram as categorias de custo alto e frequência baixa – como a indústria automobilística. Empresas como Carvana, Shift e Vroom, nos Estados Unidos; Cazoo, no Reino Unido; e Guazi, na China, já vendem milhares de carros pela internet todos os meses. Na América Latina, empresas como Kavak e Volanty estão desenvolvendo o mercado local.

A maior compra da sua vida – o lar

O último passo para o avanço completo do e-commerce na cadeia de valor se dá justamente com a consolidação desse movimento no mercado imobiliário. Afinal, é uma transação de valor muito alto em qualquer dimensão (seja valor absoluto ou percentual do patrimônio, por exemplo). Além de ser uma compra que as pessoas não fazem com frequência (não mais do que uma ou duas vezes na vida; ou até nenhuma vez).

Trocando em miúdos: trata-se da maior compra que a pessoa vai fazer na sua vida – em valores financeiros e emocionais.

Apesar de ser o maior do mundo, o mercado imobiliário carrega inúmeras dores em seu bojo. Para inserir a experiência de compra e venda de imóveis na era do e-commerce, é fundamental mapear – e sanar – essas dores. De fato, a experiência da pessoa compradora ainda está desconectada do que se espera no mundo de hoje – o mercado imobiliário, embora no rumo da modernização, é fragmentado e necessita de mais transparência e de regras mais claras.

Se fizermos uma analogia, o mercado de imóveis usados, onde a Loft atua hoje, assim como o de carros usados, pode ser definido como um grande Lemons Market: se a pessoa compradora não tem informação suficiente para diferenciar um bom imóvel (ameixa) de um imóvel ruim (limão), o valor que ela está disposta a pagar é uma ponderação entre preços dos produtos disponíveis, perpetuando a oferta de limões, por seleção adversa.

Como se vê, a vida da pessoa compradora não é nada fácil. Mas tão profundos quanto as dores são os ganhos advindos de uma plataforma de excelência para enfrentar e debelar esses desafios e trazer experiências satisfatórias.

Caminho sem volta – o da tecnologia

O caminho está posto – e é um caminho sem volta. Afinal, há uma tendência de avanço da tecnologia e do nível de experiência para transações de maior custo e menor frequência como vimos acima. Grandes empresas de e-commerce cresceram e mudaram seus mercados justamente por oferecerem uma alternativa ao comércio tradicional em termos de confiança, segurança, transparência, conveniência e velocidade.

O contexto é favorável. A pandemia acelerou a digitalização das transações imobiliárias e impulsionou o home office, fazendo com o lar ganhasse um papel ainda mais central. Além disso, há mais e mais millennials – nativos digitais – entrando na vida adulta e no mercado imobiliário. E por fim, condições favoráveis ao crescimento do setor, com os juros em seu patamar mais baixo historicamente no Brasil, o que amplia o acesso ao financiamento imobiliário e traz mais liquidez ao mercado.

Na Loft, o nosso empenho é para, cada vez mais, facilitar a compra de imóveis por meio de preços e informações verificados, de forma que as pessoas encontrem seu lar ideal com segurança e sem surpresas no caminho. Acreditamos que há critérios de experiência essenciais para melhorar a vida de nossos clientes. A saber: segurança e confiança; previsibilidade; transparência; atendimento humanizado e personalização.

Daí o empenho em construir uma plataforma profunda, end-to-end, que una o offline com o online, que nos permita controlar totalmente as etapas da transação de nossos clientes para que consequentemente, sejamos capazes de oferecer a todos uma boa experiência.

É uma tarefa tão ambiciosa quanto nobre. Afinal, estamos falando de uma necessidade muito básica – a de moradia. Quem está nesse barco tem a possibilidade de solucionar dores profundas de seus clientes, gerar grandes impactos e disruptar o maior mercado de comércio do mundo. Não há tempo a perder.

Fonte: Valor Investe

Categorias: Notícias do Setor