Conselho do FGTS aprovou distribuição de R$8,12 bilhões para trabalhadores. Para cada R$100 de saldo na conta no final do ano passado, foram creditados R$1,86

A Caixa Econômica Federal informou que finalizou nesta terça-feira (24) o processamento da distribuição de R$ 8,1 bilhões do lucro líquido de 2020 do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

“Os créditos foram realizados para todos os trabalhadores participantes do Fundo, que contavam com saldo em 31/12/2020”, informou o banco em nota, acrescentando que os depósitos foram feitos com mais de uma semana de antecedência do prazo regulamentar.

O Conselho Curador do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) aprovou no dia 17 o repasse de R$ 8,12 bilhões para as mais de 191 milhões de contas FGTS, ativas e inativas. O valor representou 96% do lucro registrado pelo fundo em 2020.

O recebimento de parte do lucro do FGTS pelos trabalhadores não muda as regras para saque dos valores. As retiradas só podem ser feitas nas condições fixadas em lei, como demissão, aposentadoria, saque aniversário, compra da casa própria, entre outras modalidades de saque.

Como ficou o rendimento anual?

Por lei, o FGTS tem rendimento de 3% ao ano. Todo dia 10, as contas do FGTS recebem atualização monetária mensal.

Desde 2017, porém, os trabalhadores recebem também parte dos lucros do Fundo de Garantia, que resultam dos juros cobrados de empréstimos a projetos de infraestrutura, saneamento e crédito da casa própria. A distribuição melhora o rendimento dos recursos depositados no fundo.

Com a distribuição de 96% do lucro do ano passado, o FGTS teve rendimento total de 4,92% em 2020, contra uma variação de 4,52% da inflação medida pelo IPCA no ano passado. O rendimento do FGTS também ficou acima da poupança, que rendeu 2,11% no ano passado e encerrou 2020 com um retorno real negativo (descontada a inflação) de 2,30%.

Em 2019, considerando o adicional da distribuição de lucros paga, o rendimento foi de 4,90%. Em 2018, chegou a 6,18%.

Em 2017 e 2018, a distribuição dos lucros fez com que a rentabilidade do FGTS ficasse acima da inflação, mas abaixo dos ganhos da caderneta de poupança.   

Fonte: G1