Sem informar detalhes, o presidente da Caixa afirmou que uma nova linha de crédito será anunciada nas próximas semanas

A Caixa Econômica Federal está discutindo a possibilidade de mais seis meses de carência para pagamento de prestações dos mutuários do programa habitacional Casa Verde e Amarela, segundo o presidente do banco público, Pedro Guimarães. “No ano passado, houve pausas [de pagamento] para 2,6 milhões de famílias”, disse Guimarães, durante o evento Summit Abrainc 2021.

Sem informar detalhes, o presidente da Caixa afirmou que uma nova linha de crédito será anunciada nas próximas semanas. Em relação às diferentes modalidades de financiamento habitacional oferecidas, ele afirmou ser “importante que pessoas escolham linha mais atrativa conforme momento da economia”. “Não faltará crédito imobiliário”, garantiu.

Segundo ele, no ano passado a Caixa atingiu um recorde de R$ 116 bilhões em contratações de crédito imobiliário e este ano a estimativa é chegar a R$ 130 bilhões. Guimarães disse também que será possível abrir agências em até 400 cidades, se a folha de pagamento delas passar para a Caixa. “Poderemos estar em todas as cidades com mais de 20 mil habitantes”, afirmou.

No evento, a presidente da Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip), Cristiane Teixeira Portella, afirmou hoje esperar, neste ano, alta de 27% do financiamento imobiliário com recursos de poupança. Em 2020, a expansão foi de 58%. “Temos tudo para este ser um ótimo ano para o crédito imobiliário”, disse a presidente da entidade.

Segundo ela, o financiamento com recursos Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) deverá crescer 7%. O total do crédito imobiliário terá incremento de 21%. A presidente da Abecip disse não acreditar que eventual alta de juros, no segundo semestre, possa prejudicar o financiamento às pessoas físicas.

Atualização para faixa do Caso Verde Amarela

Também presente ao evento, o vice-presidente da Câmara dos Deputados, Marcelo Ramos (PL-AM), defendeu a atualização dos valores do teto dos imóveis para a faixa 1,5 do programa habitacional Casa Verde e Amarela, considerando-se “o boom dos insumos da construção civil”.

Ele ressaltou que o FGTS é um instrumento de fomento para construção, para o saneamento e para a área de transportes. “Não podemos permitir consolidação da tese que FGTS é simplesmente um complemento de salário para o trabalhador”, disse.

Ramos afirmou ainda que tem discutido a ideia de um código ambiental urbano. “Não é possível haver as mesmas regras de florestas em uma área urbana consolidada. Eu me disponho a ser o autor desse projeto de lei”, afirmou.

Fonte: Valor Econômico – Por Chiara Quintão