Presidente conversou com apoiadores e disse que Caixa estuda lançar financiamento imobiliário da Caixa para agentes de segurança

Rafaela Felicciano/Metrópoles

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) confirmou a apoiadores que o governo federal deve lançar linha de crédito subsidiado para policiais militares. E prometeu “taxa de juros lá em baixo” para a categoria.

A informação de que o governo planeja lançar programa de financiamento imobiliário subsidiado voltado para agentes de segurança havia sido adiantada dias atrás pelo jornal Folha de S.Paulo.

“Está sendo conversado com a Caixa Econômica Federal, está praticamente acertado, um financiamento bom para vocês. Taxa de juros lá em baixo para vocês [policiais militares] entrarem na casa própria. É a menor taxa de juros do mercado”, disse Bolsonaro ao retornar ao Palácio da Alvorada, no fim da tarde dessa quarta (16/6).

A declaração do chefe do Executivo nacional foi compartilhada por um canal no YouTube simpático ao presidente.

O principal alvo do programa, segundo a Folha, seriam os agentes de baixa patente, que conseguirão financiar imóveis sem a necessidade de pagamento de entrada. O plano de crédito está em discussão no Ministério da Justiça e deve ser lançado nos próximos dias.

Base de apoio

Policiais formam parte importante da base de apoio do mandatário, que já está em campanha pela reeleição em 2022. Em agosto de 2020, o Fórum Brasileiro de Segurança Pública realizou levantamento em parceria com a empresa Decode para tentar entender o tamanho do alinhamento dos policiais ao discurso bolsonarista.

A pesquisa analisou postagens no Facebook de membros da PM, da Polícia Civil e da Polícia Federal e constatou adesão significativa ao discurso antidemocrático e radicalizado do presidente. Nada menos que 12% dos policiais militares, 7% dos policiais civis e 2% dos policiais federais publicaram conteúdos defendendo o fechamento do Congresso e/ou prisão de ministros do STF.

A proximidade dos agentes de segurança é alvo de preocupação por especialistas, que apontam risco de politização das instituições.

Durante ato contra o governo Bolsonaro em Recife (PE), no fim de maio, a vereadora do PT Liana Cirne Lins foi agredida por um policial militar. Vídeo publicado em rede social mostra o momento exato em que o soldado dispara spray de pimenta no rosto da vereadora, que cai de imediato no chão.

Outro episódio, ocorrido em Trindade, na região metropolitana de Goiânia (GO), também causou desconforto na corporação. O professor do ensino médio e dirigente do PT em Goiás Arquidones Bites foi preso por policiais militares por se negar a tirar do capô de seu carro uma faixa onde estava escrito “Fora Bolsonaro genocida”. O PM foi afastado de suas funções operacionais.

Fonte: Por Flávia Said, Metrópoles.