Foto: Ilustrativa

Uma quadra, uma academia, uma piscina, uma sauna… e um prédio: o condomínio clube virou moda e fez sucesso imenso e a quantidade de espaços se multiplicou. O problema é que a maior parte desses espaços fica ociosa ou é descartada pelos moradores. Administrar tudo isso é custoso. É por isso que agora a quantidade deu lugar à qualidade. É claro que as imagens de lazer ajudam a vender, mas a nova moda agora é o condomínio wellness, que promove a qualidade de vida e o bem-estar. E a pandemia influenciou nessa mudança e na consciência da preocupação real com o bem estar dos moradores.

A ascensão do condomínio wellness vem atrelada ao fato de que a preocupação com saúde e qualidade de vida vem crescendo em todo o mundo, assim como o pensamento de que é possível  incorporar à rotina hábitos mais saudáveis e que possam ser realizados na própria residência. Da mesma maneira que ambientes e plantas flexíveis conquistam cada vez mais espaço no mercado imobiliário, atmosferas de conforto e relaxamento nas áreas comuns são os novos atrativos para o morador que valoriza a saúde integral. Posso te adiantar que investir nesse tipo de empreendimento pode ser uma ótima estratégia de negócio!

Mas o que é wellness?

Colocando em prática o bem-estar

Wellness (ou bem estar) é adotado como uma filosofia de vida onde a satisfação pessoal, mental, material e espiritual estão plenamente associadas. Aplicado aos imóveis, o ponto de partida é proporcionar esse bem-estar em cada um dos detalhes idealizados.

Não é só colocar uma piscina no empreendimento, é posicioná-las de forma a permitir a contemplação do pôr-do-sol, entende? É ter a certeza de proporcionar a prática do exercício pleno de bem-estar.

A tendência wellness chegou para ficar no design e no mercado imobiliário. Os conceitos desse movimento primam pela melhoria das experiências dos moradores e ocupantes nos interiores, com espaços arquitetados para proporcionar estímulos positivos aos moradores, e conexões com a natureza por meio de elementos naturais, que gerem bem-estar.

Amplitude e materiais diferenciados ajudam a criar esse ambiente de refúgio, que também pode estimular a produtividade. Ambientes atrativos e convidativos estimulam a estadia dos moradores, a realização de atividades saudáveis e as interações sociais.

Características de um Wellness Building

O imóvel voltado ao Wellness tem áreas comuns diferenciadas, inclusive para receber prestadores de serviços. Professores, maquiadores, massagistas e esteticistas podem atender os moradores em ambientes dedicados preparados para  as atividades, sem perder a privacidade de seu lar.

Isso sem falar em outros espaços possíveis, como horta orgânica, quadra de beach tennis, sauna úmida e seca, spa, espaço para atividade física de frente para a piscina… Em cada ambiente, a ideia é permitir vistas confortáveis e iluminação natural, além de integração com o verde à construção, sempre que possível – elementos que remetam à maior qualidade de vida.  Entre as soluções incorporadas estão espaços cada vez mais flexíveis, que não restringem atividades, mas possibilitam a realização de diversos tipos de práticas benéficas para a saúde física e mental.

A ideia é que projetos assim possam melhorar o bem-estar individual e coletivo a partir de ambientes que proporcionam hábitos de vida mais saudáveis. Arquitetura, saúde e bem-estar em um só lugar: essa é a síntese de como um empreendimento com essas características é projetado e executado.

Essa é uma percepção aprimorada do mercado de luxo, que tem levado as empresas a desenhar soluções de alto padrão a um público que privilegia a praticidade. O conceito aplicada ao empreendimento é que mesmo os apartamentos compactos, por exemplo, recebam os mesmos materiais de acabamento nobres utilizados nos projetos de grandes metragens e que a área comum passe a ser uma extensão valiosa desses apartamentos.

Foi-se o tempo que era necessário ter um imóvel de grandes medidas para ter acesso ao alto padrão. As famílias estão menores, mas querem o melhor para si e primam pela qualidade e pelo acesso facilitado a uma série de conveniências – e esses espaços e características elas encontram nos residenciais focados no bem-estar.

A nova tendência do mercado imobiliário reflete a busca do equilíbrio físico, mental e espiritual pelos consumidores que não apenas buscam por uma vida mais saudável, mas também querem desfrutar de pequenos prazeres do cotidiano que são esquecidos na rotina diário de trabalho. Isso acabou se acentuando ainda mais com a necessidade de isolamento social em razão da pandemia da Covid-19.

Tendência de mercado

O wellness é um conceito mais ampliado em relação ao fitness center e vem ganhando força em lançamentos do mercado imobiliário pós pandemia.  Uma pesquisa realizada pela U.S Green Building Council mostrou que o setor imobiliário de bem-estar cresceu US$ 134 bilhões em todo o mundo no último ano. O mundo já não é mais o mesmo, nem a forma como interagimos, mas tem coisas que chegam para ficar – como a valorização do bem-estar. O estilo de vida de grande parte da população foi impactado pela busca desenfreada de produtividade e hoje vemos o resultado disso em um mundo mais ansioso, estressado e sedentário. Saúde e tempo se tornaram itens de luxo. A era do bem-estar chegou ao mercado imobiliário e traz mais saúde para dentro de casa.

A boa arquitetura traz saúde e o desafio das incorporadoras está em ir além do impacto ambiental e olhar para o impacto fisiológico do ser humano. Incorporar elementos que ajudem os residentes a otimizar sua saúde em termos de sono, humor, e vitalidade,como por exemplo maximizar o uso de luz natural, usar iluminação circadiana…

Precisamos inserir qualidade de vida no dia a dia das pessoas. Não é mais suficiente oferecer mais do mesmo, é preciso agregar valor.

Em São Paulo já virou tendência e tem prédio, inclusive, que já oferece o chef para fazer o café da manhã dos moradores, como em um hotel, mas personalizado. Piscinas com duas raias olímpicas já substituíram piscinas para banho, as academias são de altíssimo padrão e há até lavanderias da OMO nos condomínios. Localização privilegiada, plantas adaptáveis e instalações modernas também são essenciais nesse novo modelo, especial para quem quer praticidade e conforto.

Isso significa o fim do condomínio clube e o início do wellness? Creio que não, pelo menos não agora. Mas é uma tendência e vale acompanhar os próximos anúncios do mercado, porque o cenário está mudando e se desenvolvendo de maneira importante trazendo novas oportunidades que vão impulsionar o crescimento do investimento em imóveis. Você já garantiu sua participação nessa fatia do mercado?

Fonte: Por Allan Cardoso, GMC Online.